Propaganda Box

quarta-feira, 25 de março de 2015

Aonde comprar o Apple Watch Gold Edition

Com a data já definita para vendas do Apple Watch, aos poucos vem aparecendo novidades sobre o Apple Watch. E dessa vez a notícia vem de Tóquio, onde uma Apple Watch Shop está sendo construída dentro de uma loja de departamento de luxo aqui no Japão em Tóquio .

Shinjuku é um centro comercial e administrativo, considerado o mais importante da província. A estação de Shinjuku é considerada a mais movimentada do mundo, com mais de 3 milhões de usuários diários, saindo da estação andaremos mais ou menos 5 minutos até a loja que fica dentro do Shinjuku Isetan, uma das maiores e mais famosas lojas de departamento no Japão, local que a Apple escolheu para a sua futura Apple Watch Shop no Japão.


Logo ao entrar no Shinjuku Isetan encontramos do lado direto um espaço totalmente fechado com madeiras e com uma frase em japonês “Em Breve Apple Watch”.

 Olhando o Layout da Shinjuku Isetan podemos reparar que a Apple escolheu o ponto de maior acesso.


Com certeza nesse local encontraremos a versão de ouro que custa a partir de US$10.000 / ¥1.280.000

Por curiosidade, no site Shinjuku Isetan encontramos um banner do Apple Watch com muito destaque por sinal!



terça-feira, 24 de março de 2015

Curiosidade na era Steve Jobs

No início deste mês, nós noticiamos o anúncio de um novo livro sobre o saudoso guru da Apple, o que promete revelar história inédita  e será oficialmente lançado no dia 24 de março.

A obra, intitulada “Becoming Steve Jobs”, é uma biografia produzida por Brent Schlender, que o entrevistou diversas vezes ao longo dos 25 anos que trabalhou cobrindo eventos e notícias no Vale do Silício, e Rick Tetzeli.

Não demorou muito para que o primeiro relato, até então desconhecido do público em geral, que Tim Cook ofereceu parte do seu fígado  a Jobs quando ele estava doente. O mais novo “causo” revelado antes da hora é que Jony Ive, atual vice-presidente sênior de design da companhia, esperava ser demitido com a volta de Steve Jobs para a Apple.

A caminho do RH

O livro conta toda a trajetória profissional de Jobs, desde a criação da marca com a maçã mordida até a sua morte, causada por um câncer. Um dos trechos aborda o período no qual a excêntrica personalidade do mundo da tecnologia foi afastada da empresa que ajudou a criar, o que aconteceu em 1985.

Abusando de sua criatividade e habilidade indiscutível em vender produtos e criar necessidades nos consumidores, Jobs abriu a NeXT — que mais tarde foi comprada pela Apple, o que acabou viabilizando o seu retorno para a companhia no ano de 1997.

É exatamente nessa época que o designer de produtos temeu ficar desempregado. A Maçã havia perdido uma boa parte do mercado e fazia tempo que não emplacava um aparelho de grande sucesso. Assim que retornou à empresa, Jobs começou a descontinuar dispositivos que não rendiam e cancelar projetos para os quais não via futuro. Tudo isso, obviamente, impactava também na demissão de funcionários.

Tudo sugeria uma demissão

“Aquela foi a primeira vez que nos encontramos, e ele havia acabado de começar a falar em readmitir Harmut Esslinger [fundador da Frog Design e um dos responsáveis pelo projeto do primeiro Macintosh]”, contou Jony Ive a Schlender. “Ele veio para o estúdio, e eu achava que era essencialmente para me demitir”, complementou o designer.

Outro fato que levava Ive a acreditar que seu pescoço estava prestes a ser cortado do quadro de colaboradores eram os discursos de Jobs dizendo que “os produtos que vendiam no momento não eram bons para todos”. Mais tarde, o genioso líder da Apple teria confessado que simpatizava com Ive, conhecido por ser uma pessoa introvertida, por conseguir “explicar claramente ideias complexas”, assim como ele era capaz.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Cortana pode ir para IOS E ANDROID

Cortana

Uma das atrações prometidas para o Windows 10 é a Cortana, que já mostra o que é capaz de fazer no Windows Phone. Mas a Microsoft pode estar querendo fazê-la ultrapassar os muros de seus sistemas: segundo a Reuters, a companhia está preparando a assistente de voz para desembarcar no iOS e no Android.
O veículo entrevistou Eric Horvitz, diretor da Microsoft Research. O pesquisador explicou que a companhia está trabalhando em um projeto de inteligência artificial de codinome Einstein que deve culminar em uma versão mais avançada da Cortana (ou, eventualmente, em um assistente sucessor).
Horvitz não disse nada sobre a chegada da Cortana em outras plataformas, mas fontes próximas à companhia afirmaram à Reuters que o projeto também tem ligação com uma versão independente da Cortana que deve funcionar em tablets e smartphones com iOS ou Android.
A ideia, se levada adiante, se juntará à proposta multiplataforma do Office como prova da mudança de rumos que a administração de Satya Nadella está promovendo na Microsoft.
Até agora, os assistentes – Siri no iOS e Google Now no Android (embora também disponível na plataforma da Apple) – aparecem como destaques de cada plataforma. A Microsoft também segue por esse caminho, mas se sair, estará mostrando que prefere mesmo ter um ecossistema de serviços universal do que apenas tentar levar o Windows para o maior número de equipamentos possível.
Não está claro o que exatamente a versão mais avançada da Cortana poderá fazer, mas Horvitz deu pistas: o nome do projeto é inspirado na pesquisa que relaciona tempo e espaço que Albert Einstein desenvolveu.
A Cortana teria, portanto, a missão de entender onde, quando e o que o usuário pretende fazer para se antecipar quando necessário. Assim, a assistente conseguiria informar com mais precisão, por exemplo, o caminho que a pessoa deve seguir para desviar de um congestionamento ou qual o status de um voo.
É óbvio que a Microsoft não está sozinha nessa missão – os cards do Google Now estão aí como exemplo. Se a Cortana chegar mesmo ao iOS e ao Android, deveremos ter uma disputa bastante interessante, portanto.
A Microsoft ainda não confirmou o plano. Mais detalhes sobre o assunto devem aparecer após o lançamento do Windows 10.

terça-feira, 10 de março de 2015

Data e valores do AppleWatch

Apple Watch
Trata-se do primeiro produto da Apple que não está com você, está *em* você! A empresa pensou em todos os detalhes para construir o relógio para os mais diversos tipos de pessoas, com todos os materiais escolhidos a dedo: alumínio, aço inoxidável, cristal safira, ouro… ele também oferecerá uma forma revolucionária de pessoas se conectarem e acompanharem seus exercícios.
Cada Apple Watch terá inúmeras configurações e visuais para a hora. Há os designs variados e dentro deles mesmos o usuário pode personalizá-lo ao seu gosto (data, cronômetro, fusos horários, próximos compromissos… cada um escolhe o que quer ver). O Apple Watch também conta com as Olhadas (Glances), para usuários verificarem informações variadas de forma rápida, bem como controlar música e ver o seu batimento cardíaco (as Olhadas são acessíveis deslizando a tela de baixo para cima).
O mecanismo háptico alerta ao usuário assim que ele recebe uma mensagem. Também há a possibilidade de receber ligações diretamente no seu relógio. Emails também podem ser lidos integralmente no Watch e apertando o botão lateral do Watch você pode ver seus amigos e se conectar com eles.
Usuários também podem tocar na tela para chamar a atenção de usuários, além de enviar os seus batimentos cardíacos. Falando de fitness, o Watch conta com um app para acompanhar seus movimentos, exercícios e até quanto tempo você fica em pé. O relógio te lembra se você está sentado há muito tempo e envia lembretes, tal como faria um amigo. Você pode inclusive ver um sumário da sua semana anterior, com sugestões de mudanças para um melhor bem-estar. No app de exercícios, você pode correr, pedalar ou realizar outros exercícios na academia. Você acompanha quantas calorias perdeu, distância percorrida, tempo investido em exercícios e muitas outras informações.
A Apple deu um Watch a uma das principais top models no mundo, Christy Turlington-Burns. Entre muitas, muitas outras qualificações, ela já finalizou três maratonas e é muito ativista em fitness. Em uma das meia-maratonas que ela participou, ela usou um Apple Watch.
Ela falou o quanto se preocupa com fitness e bem-estar, principalmente por ter se tornado mãe recentemente, e citou como o Watch ajuda na sua motivação. No pouco tempo que usou o Watch, ela já percebeu o quanto ele será uma peça importante em sua vida a partir de agora. Burns correrá a maior maratona da sua vida em Londres, em breve, e espera que o Apple Watch ajude em sua preparação e a Apple terá um blog semanal sobre a experiência de Burns dentro do seu site.
O Apple Watch suportará o Apple Pay, fotos, músicas, Siri, Passbook, notificações, etc. Dá, por exemplo, para acompanhar de perto seus times esportivos favoritos, usar redes sociais, acompanhar notícias… tudo direto no pulso. A Apple já lançou o WatchKit (SDK para desenvolvedores) e desde então eles têm trabalhado duro em apps para o Watch.
Kevin Lynch (também conhecido como Bill Gates da Apple), mostrou um pouco sobre como será usar o Watch no trabalho. Demonstra como será conferir ações, dados de negócios, resultados esportivos, tweets, voos, etc. Para ativar a Siri, basta apertar o botão que fica na coroa do Watch — a assistente também pode ser chamada com o famoso “Hey, Siri”. Através da voz, é possível criar um lembrete facilmente. Também dá para ler as mensagens e respondê-las como stickers ou falando a sua mensagem pelo Ditado da Siri.
Para fazer compras, basta aproximar o relógio do terminal de pagamento e usar o Apple Pay. Simples e rápido. Quando a pessoa estiver em casa, mesmo longe do seu iPhone, também dá para usar o Watch numa boa (ele demonstrou o app do Instagram, com todas as fotos recentes de amigos). Tocando numa foto, você vê mais informações (localização, likes, entre outras coisas) — os aplicativos serão bem diretos e fáceis de usar.
Lynch demostrou como é simples e fácil atender uma ligação no Watch. A interface da ligação é bem simples, com controle de volume, um botão de mudo e outro de desligar. O bom é que o Watch se comunica com o iPhone tanto via Wi-Fi quanto via Bluetooth, ou seja, você não fica preso ao distante limitado do Bluetooth em casa.
O app Uber também foi demonstrado. Ele facilita a chamada e alerta o usuário assim que o carro chega, com detalhes do motorista e do veículo. O Apple Watch também ajuda em embarques de aeroportos, com tíquetes do Passbook. Todas as informações estão ali, inclusive um código de barras para passar pela segurança.
Agora, um recurso muito legal! O Watch também recebe notificações em certos hotéis, como os da rede SPG. Usuários terão tudo o que precisam ali, como números de reservas, detalhes do quarto e por aí vai. Em alguns locais, o próprio Watch poderá abrir as portas de quartos! Outro app demonstrado foi o Shazam, que não só identifica a música como mostra a letra em tempo real na tela do Watch — e ele mesmo identifica a parte que está sendo reproduzida! ;-)
Um sistema de segurança de uma garagem, o qual permite que ele até abra a porta remotamente e a veja em vídeo, também fez parte da demonstração. E esses são apenas alguns dos exemplos de apps que estão sendo criados para o Apple Watch.
O Apple Watch requer um iPhone 5 ou superior para funcionar. É por ele que você navegará e instalará apps no relógio. Tudo pelo iOS 8.2, que vem com um app chamado Apple Watch. É por esse novo app que usuários navegam pela loja de aplicativos para o Watch. Como esperado, o iOS 8.2 estará disponível para download hoje. A bateria do relógio durará um dia inteiro, como já se especulava (são 18h num dia normal). No final do dia, recarregá-lo será bem simples. Basta aproximar o recarregador magnético para ele se prenda ao Watch.
São três coleções, começando pelo Apple Watch Sport com alumínio anodizado — disponível em prata e cinza espacial com várias pulseiras coloridas. O alumínio do relógio é 66% mais forte que os normais, mas tão leve quanto. O preço: US$349 pelo modelo base de 38mm e US$399 pelo de 42mm.
O Apple Watch é feito com uma case de aço inoxidável em acabamento tradicional ou space black e conta com a maior diversidade de pulseiras disponíveis. E não são só as carcaças dos relógios, mas também todas as suas pulseiras — como a Milanese Loop, também feita de aço inoxidável. A linha Apple Watch custará: US$549-1.049 para 38mm e US$599-1.099 para 42mm (dependendo da pulseira escolhida).
Já o Apple Watch Edition é algo totalmente único e especial, de acordo com a empresa. Também disponíveis em 38mm e 42mm, todos de ouro 18k. As pulseiras são especialmente desenhadas e luxuosas, também de ouro. O Watch Edition será limitado, a partir de US$10.000, e estará disponível apenas em algumas lojas específicas.
A Apple iniciará a pré-venda do Watch em 10 de abril, enquanto o produto chegará de fato ao mercado em 24 de abril. Mas a partir do dia 10 eles já estarão disponíveis para serem conhecidos por consumidores em Apple Retail Stores. Haverá mesas novas nas lojas para demonstração dos relógios e os empregados estarão disponíveis para quem quiser experimentar cada um dos modelos disponíveis. Eis os países que receberão o Watch em seu lançamento: Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Hong Kong, Japão, Reino Unido e, é claro, EUA.

Novo e belíssimo MacBook


O evento da Apple agendado para o dia 9 de março de 2015, trouxe algumas novidades bastante interessantes para os consumidores e amantes da marca. O destaque, como já era sabido, foi o relógio inteligente da companhia. O Apple Watch teve o seus preços e datas de lançamento oficial anunciadas, acabando com o anseio daqueles que esperavam ter esse acessório em mãos.

Entretanto, a grande surpresa da apresentação não parece ter sido o Apple Watch, mas sim o novo e finíssimo MacBook, aquele que promete ser a reinvenção do notebook – de acordo com a própria empresa. A máquina traz uma série de destaques, como o novo trackpad, o funcionamento das teclas, a construção da carcaça, as disposição das baterias, novas cores e muito mais.

"O novo MacBook".

Durante a sua apresentação – e na Apple Store –, a empresa apresenta essa máquina como o “novo MacBook”. A intenção é oferecer a experiência definitiva de um computador portátil e reinventar o conceito de notebook sustentado até hoje. Para isso, a companhia apresentou um dispositivo de 13,1 mm de espessura, pouco mais de 900 gramas e com uma tela de Retina Display de 12 polegadas.

Entretanto, mesmo com esse anúncio, a Apple não aposentou a linha “Pro” e “Air” de computadores portáteis. Esse novo MacBook vem para preencher a espera de um MacBook Air com tela Retina, algo que era esperado por muitos, mas não aconteceu. Mesmo assim, especula-se que essa nova máquina venha substituir as duas linhas em algum momento no futuro.

Teclado do novo MacBook.

Especificações técnicas do novo MacBook

  • Sistema operacional: OS X Yosemite
  • Tela: 12 polegadas (tecnologia Retina Display)
  • Resolução de tela: 2304x1440 pixels (proporção 16:10)
  • Processador: Intel Core M dual-core de 1,1 GHz, 1,2 GHz ou 1,3 GHz
  • GPU: Intel HD Graphics 5300
  • Memória RAM: 8 GB
  • Armazenamento interno: 512 GB (SSD)
  • Bateria: 9 horas em navegação e 10 horas em reprodução de conteúdo multimídia
  • Espessura: entre 0,14 e 0,52 mm
  • Peso: 920 gramas
  • Conectividade: WiFi (802.11ac), Bluetooth 4.0, nova porta USB-C universal

Sistema individual de iluminação de teclas no novo MacBook.

Teclado completo, Retina Display, novo USB...

O teclado com tamanho completo foi uma das primeiras novidades apresentadas pela Apple. Nada de teclas comprimidas e pouco espaço para digitação. O novo MacBook possui um sistema de botões completo, usando a carcaça do dispositivo de ponta a ponta.

Porém, as teclas também ganharam uma evolução em seu funcionamento. Além de uma iluminação individual, cada um dos botões possui um novo sistema chamado “Mecanismo Borboleta” (tradução para "Butterfly Mechanism"). Essa inovação substitui o “Mecanismo Tesoura” adotado anteriormente e que fazia a tecla afundar de maneira irregular. Agora, cada botão é acionado de maneira uniforme, independente de onde ele tenha sido pressionado.

"Scissor Mechanism" x "Butterfly Mechanism".

A tecnologia Retina Display também marca presença no novo MacBook. Apesar de não ser uma novidade, esse é um “apelo” que a companhia usa na hora de comercializar os seus produtos – uma tática que tem dado certo.  Com um novo sistema de iluminação da tela, os mais de 3 milhões de pixels ficam ainda mais vívidos nessa máquina.

Retina Display com resolução 2304x1440 e mais de 3 milhões de pixels.

Outro grande destaque do novo MacBook é a sua conexão com fio que agora é mais versátil e oferece inúmeras possibilidades. Através da porta USB-C, a Apple conseguiu reunir a alimentação de energia, USB 3.0, DiplayPort, HDMI e VGA – um detalhe que ajudou a reduzir ainda mais a espessura do aparelho e deixá-lo com um visual mais “limpo”.

Nova porta USB-C universal e mais versátil.

O novo trackpad com Force Touch

Dentre todas as novidades apresentadas, uma das que mais chamou a atenção foi o novo trackpad apresentado no MacBook. Equipado com o Force Touch, esse componente oferece uma sensibilidade muito maior e a capacidade de sentir a pressão imposta sobre ele. Na apresentação, a empresa mostrou que forças diferentes ativam funções diversas na utilização do trackpad.

Novo trackpad do MacBook.

Além disso, o componente também possui um sistema de resposta háptica, oferecendo um feedback para os toques no trackpad. Por fora, essa parte do MacBook parece igual, mas é dentro que as verdadeiras inovações residem. Quatro sensores serão responsáveis por sentir a pressão e o motor háptico oferecerá as respostas aos toques.

Novo trackpad do MacBook.

Bateria e a nova disposição dos componentes

Na apresentação, a Apple também deu bastante destaque para a reformulação interna e disposição dos componentes do MacBook. A placa lógica – mecanismo que reúne o processador, memória RAM, armazenamento interno e muito mais – diminuiu significativamente de tamanho e agora não possui mais ventoinhas para refrigeração. Tudo isso, na verdade, era a preparação do “terreno” para mostrar as novidades da bateria.

Novo formato de disposição das baterias no MacBook.

A vida do MacBook longe das tomadas ganhou um upgrade pelo simples fato de a empresa adotar um novo padrão para construção dos componentes. Agora, as baterias aproveitam melhor o espaço interno da máquina, oferecendo até 35% a mais de capacidade do que uma disposição convencional.

Novo formato de disposição das baterias no MacBook.

O processador que equipa o novo MacBook é um Intel Core M “Broadwell” da 5ª geração. Esse chip é confeccionado com o processo de fabricação de 14 nanômetros e oferece um consumo de apenas 5 Watts.

A união de uma bateria e processador mais eficientes fazem com que o novo MacBook seja o notebook mais eficiente que existe – de acordo com a Apple. Com inúmeros certificados que comprovam a alcunha, a empresa promete 9 horas de navegação e 10 horas de reprodução de conteúdo multimídia.

Componentes internos do novo MacBook.

Preço e disponibilidade

Para a alegria daqueles que não veem a hora de por as mãos nesse novo MacBook – apesar do valor do dólar – a Apple tem uma boa notícia. Dia 10 de abril é a data que a empresa planeja enviar as máquinas adquiridas na Apple Store, fase que só deve cobrir os Estados Unidos por enquanto.

O preço? É aí que o assunto começa a ficar um pouco mais “salgado”. A versão mais básica do novo MacBook será vendida por US$ 1.299 que, em conversão direta na cotação atual, ultrapassa a casa dos R$ 4 mil. Porém, na Apple Store brasileira o produto terá a seguinte configuração de preço:

  • MacBook – 256 GB de armazenamento interno, processador dual-core de 1,1 GHz (Turbo Boost até 2,4 GHz): R$ 8.499 (ou em até 12x de R$ 708,25) com 10% de desconto à vista (R$ 7.649,10)
  • MacBook – 512 GB de armazenamento interno, processador dual-core de 1,2 GHz (Turbo Boost até 2,6 GHz): R$ 10,499 (ou em até 12x de R$ 874,92) com 10% de desconto à vista (R$ 9.449,10)

Preço salgado?

Será que essa o valor monstruoso compensa para os consumidores – pelo menos brasileiros – que estarão levando o MacBook para casa? De qualquer forma, ainda indisponível por aqui, é certo que a Apple apresentou um belo notebook e uma promessa ousada de revolucionar a categoria. É esperar para ver.