Propaganda Box

domingo, 26 de janeiro de 2014

Apple promete consertar travamentos do iOS 7

A Apple admitiu que muitos de seus usuários do iOS 7 estão passando por problemas causados por um bug que faz dispositivos reiniciarem sozinhos. A companhia prometeu resolver o problema com o lançamento de uma nova atualização de software. Aparelhos estariam apresentando uma tela branca seguida de tela preta com o logotipo da Apple antes do reinício.
Apple promete consertar travamentos do iOS 7 no próximo update (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Os primeiros relatos sobre este problema surgiram no início de setembro do ano passado, quando muitos usuários utilizaram os fóruns de discussão da Apple para debater sobre o bug. Segundo os depoimentos, o problema afeta apenas alguns dispositivos com iOS 7, produzindo travamentos constantes que fazem os dispositivos reiniciem sozinhos.

Recentemente, por meio das redes sociais, os travamentos ganharam grande destaque entre os consumidores, a ponto de a Apple emitir uma nota admitindo o problema e confirmando uma atualização de software.
Em comunicado ao site de tecnologia Mashable, o porta voz da companhia Trudy Muller, disse que será lançada uma atualização para o iOS 7 em breve. “Nós estamos trabalhando em uma atualização de software para correção de um bug que pode causar problemas na tela inicial.”
Em parceria com desenvolvedores, a Apple está testando a versão 7.1 do iOS que vem apresentando mais estabilidade e que, aparentemente, está menos propenso a falhas. Entretanto, a companhia não confirmou se a correção dos novos travamentos será a versão 7.1 ou uma atualização 7.0.5 para o iOS 7.

Apple TV deve ganhar nova versão

A Apple também planeja entrar forte no mercado de games com nova Apple TV. Segundo o site 9To5Mac, a empresa norte-americana vai lançar uma nova versão com um sistema operacional baseado no iOS até o meio do ano.
Apple TV pode entrar no mercado de games em 2014 (Foto: Divulgação/9to5Mac)
O gadget seria uma set-top box bem semelhante ao original, porém com grandes diferenças de interface e funcionalidades. Uma delas seria a presença de uma App Store (ou Game Store) e a outra seria um suporte a controle gestual como o do Kinect, da Microsoft.

Mas nos últimos meses isso parece ter mudado. O site revela ainda que a empresa vem tornando mais fácil o sistema de desenvolvimento de aplicativos para a nova "caixinha mágica da Apple". Por enquanto, tudo ainda é muito focado só no streaming de vídeos, mas a tendência é de que isso logo ganhe uma proporção maior.
Segundo as fontes do 9To5Mac, a Apple ainda está realizando testes para encontrar a melhor maneira de realizar esta nova abordagem. Recentemente falava-se que boa parte dos executivos da empresa, por exemplo, eram contra uma App Store na Apple TV.
A princípio, tudo ainda parece um pouco nebuloso. Mas espera-se que, ainda neste ano, a nova geração da Apple TV leve ao mercado uma experiência bem diferente, com mais conteúdo e nova interface. Resta saber quando isso sairá do papel e se será possível atualizar o software do gadget atual para o novo sistema.

Apple pode usar vidros de safira

A Apple pode ter planos mais promissores a utilização dos super resistentes vidros de safira em seus iPhones. Uma patente registrada recentemente pela empresa, nos EUA, revela uma maneira de incluir o material em toda a superfície frontal e traseira do gadget, o que o tornaria mais resistente que os vidros Gorilla Glass usados atualmente.
Patente da Apple mostra técnica para incluir vidro de safira na tela de iPhones (Foto: Reprodução/GigaOm) (Foto: Patente da Apple mostra técnica para incluir vidro de safira na tela de iPhones (Foto: Reprodução/GigaOm))Os iPhones usam, atualmente, vidros de safira na lente da câmera e, no iPhone 5S, sobre o botão que cobre o TouchID, identificador de impressões digitais dos modelos mais novo do smartphone. Esse conjunto de componentes, porém, parece não ser suficiente para sustentar um acordo de cinco anos entre Apple e GT Advanced Technology, dona da tecnologia.

De acordo com um documento, a técnica consistiria em introduzir outro material dentro de uma folha de vidro de safira, que, então, serviria como suporte para acoplar à carcaça do aparelho. Afinal, o vidro é tão resistente que não é compatível com a cola usada no procedimento comum.
A patente da Apple, ao que parece, está em busca de uma maneira de adaptar o vidro de safira em escalas maiores, o que pode ser bem complicado de incluir em sua produção de escala. Causa disso é a forte incompatibilidade desse material com colas e temperaturas as quais os vidros comuns estão sujeitos.
Embora a patente descreva uma maneira possível de usar vidro de safira super resistente na tela de iPhones, não se sabe se a Apple está realmente vislumbrando usar a tecnologia em curto espaço de tempo. Ainda assim, só a existência do documento já é suficiente para gerar o receio de perder um de seus principais clientes aos executivos da Gorilla Glass.

Macintosh completa 30 anos

O Macintosh, computador pessoal da Apple que inovou o mercado da informática ao introduzir uma interface gráfica e o mouse, completa 30 anos nesta sexta-feira (24). A máquina sucedeu outros aparelhos da empresa que fracassaram e voltaram a fazer sucesso com o retorno de Steve Jobs à companhia com o iMac.
A Apple aproveitou a data e lançou um vídeo comemorativo. 
Conheça os principais computadores da linha Macintosh.
Macintosh original (Foto: Divulgação/Wikimedia Commons)Macintosh (Foto: Divulgação/Wikimedia Commons)
Macintosh (1984)
A apresentação do Macintosh ocorreu dois dias após a Apple ter veiculado um anúncio durante o SuperBowl, a final do futebol americano, que falava que o mundo seria muito diferente do livro "1984" de George Orwell.
A propaganda de US$ 900 mil dirigida pelo diretor Ridley Scottt ("Alien", "Prometheus") conseguiu chamar a atenção para o computador, que chegou às lojas custando quase US$ 2,5 mil, um valor alto principalmente para a época.
Mesmo com o preço elevado, em maio de 1984, a Apple divulgou que 70 mil unidades do Macintosh foram vendidas.
O computador tinha um monitor CRT de 9 polegadas (um ponto menor que a do iPad, que tem 9,7 polegadas) e um drive de disquete de 3,5 polegadas que armazenava 400 KB de dados. Logo, o tamanho reduzido exigiu que programas mais sofisticados viessem em diversos discos, um para os arquivos e outro para a instalação. Por isso, os usuários eram obrigados a trocar de disquetes constantemente.
O processador era um Motorola 68000 e o Macintosh tinha 128 KB de memória RAM, que não podia ser melhorada. O mouse foi o diferencial, chegando a ser copiado nos computadores IBM que usavam o sistema operacional Windows, da Microsoft. Uma das falhas do Macintosh era a ausência de um sistema de ventilação – característica que acompanhou os computadores da linha até 1987 – o que provocava uma série de falhas no sistema quando ele era utilizado por muito tempo.
Pouco tempo depois, a Apple lançou uma versão com 512 KB de RAM, que melhorou o uso do sistema operacional e de programas na máquina.
iMac G3, de 1998 (Foto: Divulgação/Wikimedia Commons)iMac G3 (Foto: Divulgação/Wikimedia Commons)
iMac G3 (1998)
O lançamento do iMac G3 marcou o retorno de Steve Jobs à Apple e fez com que os computadores da empresa, que estava quase falida, alcançassem sucesso no mercado. Um dos motivos para isso foi seu design, diferente de qualquer outro PC comercializado na época.
O "tudo-em-um" era colorido, semitransparente e tinha um formato arredondado, com uma alça para transporte. Até mesmo mouse e teclado vinham com design similar e acompanhavam as cores da máquina. Foi o primeiro computador a oferecer portas USB como padrão para conectar os dois acessórios. Também abandonou os disquetes para usar apenas CDs graváveis.
O iMac G3 tinha uma tela de 14 polegadas, processador PowerPC G3 de 23 MHz, 32 MB de memória RAM, disco rígido de 4 GB e custava US$ 1,3 mil no lançamento.
Versões lançadas posteriormente vieram com configurações melhores, incluindo a porta FireWire e conexão sem fio com a internet.
  •  
Power Mac G4Power Mac G4 (Foto: Divulgação/Apple)Power Mac G4 (Foto: Divulgação/Apple)
Power Mac G4 (1999)
Anunciado pela Apple como o primeiro "supercomputador pessoal", o computador unia o design apresentado pelo iMac G3 com o formato de torre tradicional dos PCs.

Fabricado até 2004, recebeu diversas versões com processadores e configurações melhores, mas os modelos iniciais vinham com 400 MHz de processamento.
As máquinas usavam um drive de DVD como padrão, sendo que algumas versões usavam o falecido Zip Drive, disquetes que armazenavam 100 MB.
A primeira versão teve entre 64 MB e 256 MB de memória RAM, expansível até 1 GB, enquanto versões mais poderosas tiveram até 2 GB de RAM. O disco rígido variava de 10 GB até 128 GB.
Power Mac G4 Cube (Foto: Divulgação/Apple)Power Mac G4 Cube (Foto: Divulgação/Apple)
Power Mac G4 Cube (2000)
Um Macintosh pequeno e no formato de cubo – tem 18 centímetros de altura, comprimento e largura e está envolto em uma capa plástica – o modelo está no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). Foi criado por Jonathan Ive, responsável pelo design de outros produtos da Apple, como o iPad e o iPhone.
Mesmo assim, não teve sucesso comercial por custar muito caro: US$ 1,8 mil, US$ 200 mais caro que o Power Mac G4 da época, além de não acompanhar um monitor, algo que o iMac possuía. Falhas na produção provocavam rachaduras na capa plástica, o que afetava o design do aparelho.
O cubo tinha processador PowerPC G4 com versões entre 450 MHz e 500 MHz, de 128 MB até 1,5 GB de memória RAM e disco rígido de 20 GB a 60 GB. Tinha leitor de DVD e gravador de CDs, além de se conectar à internet sem fios.
 
Novo desktop Mac Pro anunciado pela Apple nesta segunda-feira (10/6). (Foto: Reprodução/Apple)NMac Pro  (Foto: Reprodução/Apple)
Mac Pro - segunda geração (2013)
A nova geração dos Macintosh mais poderosos da Apple mudou radicalmente seu design, saindo de uma estrutura tradicional de torre para um cilindro preto.
Voltado para o uso profissional por conta de sua configuração mais potente, a versão que chegou às lojas em 2013 tem processador de até 12 núcleos Intel Xeon 256-bit de até 3 GHz e possui suporte para até três monitores 4K, resolução quatro vezes maior que as imagens Full HD (1080p) atuais. Pode ter até 16 GB de memória RAM e 1 TB de espaço de armazenamento.
O modelo mais caro é vendido nos Estados Unidos por US$ 4 mil.

Sistema judicial dos EUA é alvo de ataque digital

O site do sistema público judicial dos Estados Unidos ficou temporariamente fora do ar na sexta-feira (24) após um ataque digital, o que impediu advogados de encaminharem documentos legais, publicou o informativo "Politico".
O ataque de tipo negação de serviço atingiu o site uscourts.gov, bem como outros sites de tribunais federais do país, afirmou um porta-voz do sistema judicial norte-americano ao "Politico".
O porta-voz afirmou que o sistema judicial estava sendo investigado para determinar os autores do ataque.

Gmail tem sistema restabelecido, diz Google

Após passar por uma instabilidade que impossibilitou usuários brasileiros de receberem e enviar e-mails, o serviço de correio eletrônico Gmail foi restabelecido no início da noite desta sexta-feira (24), de acordo com a ferramenta de status do Google.
De acordo com a companhia, o serviço voltou a funcionar às 18h23 após ter tido problemas por mais de uma hora.
A falha que atingiu não só brasileiros mas internautas dos Estados Unidos e Europa ainda não foi esclarecida pelo Google.
Como vários serviços da empresa dependem do Gmail para funcionarem, uma onda de instabilidade afetou grande parte das ferramentas do Google.
Segundo a própria empresa, tiveram algum tipo de interrupção Agenda, Talk, Drive, Docs, Planilhas, Apresentações, Desenhos, Sites e Grupos. Os Hangouts do Google+ e o Google Voice também foram afetados.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

 


O Wii U e seu controle-tablet são únicos no mercado, apesar de não gerarem as vendas que a Nintendo esperava. Contudo, hackers ainda tem interesse no produto, nem que seja para dar novas funções a ele.

É o caso de uma equipe chamada libdrc, que conseguiu quebrar a proteção do gamepad para permitir que ele fosse usado para fazer jogar games de um computador rodando Linux por streaming.

A apresentação, feita no Chaos Communication Congress, explica como foi o processo de fazer com que o gamepad se comunicasse com o computador. Para isso, foi necessário descartar o firmware do tablet, o que permitiu a engenharia reversa do sistema de criptografia do Wi-Fi, além dos protocolos da Nintendo para streaming de áudio, vídeo e entrada de dados. Para provar o ponto, foi divulgada uma captura do tablet rodando Final Fantasy VII.

A demonstração de 56 minutos do projeto pode ser conferida clicando aqui. Os responsáveis pelo projeto assumem que ele ainda está "muito bugado" e não é "indicado para o usuário final", mas pode evoluir para se tornar um bom protótipo.

Outros objetivos dos hackers é conseguir parear outros tablets com o Wii U, e conseguir fazer o gamepad funcionar com Windows e Mac OS X, além de fazer streaming de coisas pela internet para o gamepad.

Twitter e Facebook do Skype são hackeados




Hackers sírios invadiram ontem as contas do Skype e usaram o blog, o Twitter e o Facebook da empresa da Microsoft para espalhar protestos contra a espionagem dos Estados Unidos.
Nos espaços, a Syrian Electronic Army (SEA) incitava os internautas a pararem de usar e-mails da Microsoft porque "eles estão monitorando suas contas e vendendo [as informações] para os governos".
Também reclamavam do envolvimento do Skype na vigilância eletrônica dos EUA, já que documentos vazados por Edward Snowden davam a entender que o serviço de comunicação da Microsoft ajudava a NSA (agência de segurança nacional).
A empresa rapidamente retomou o controle sobre suas contas e apagou as postagens indevidas, garantindo que nenhuma informação dos usuários foi comprometida.

78% dos iPhones, iPads e iPods touch já rodam iOS 7

A Apple liberou uma versão atualizada do gráfico que mostra a porcentagem de utilização de cada versão do iOS. O iOS 7, lançado no dia 18 de setembro, está com uma adoção bem rápida: de acordo com a Apple, 78% dos iPhones, iPads e iPods touch já rodam a última grande atualização do sistema operacional. No gráfico anterior, liberado no início de dezembro, a adoção era de 74%.

Mais de três em cada quatro iTrecos rodam o iOS 7
Mais de três em cada quatro iTrecos rodam o iOS 7
Enquanto mais de três em cada quatro dispositivos estão com o iOS 7, 18% rodam o iOS 6 e 4% ainda executam uma versão mais antiga, provavelmente por falta de suporte. Esses números levam em conta apenas os dispositivos que acessaram a App Store nos últimos 7 dias, durante o período de 23 a 29 de dezembro de 2013.
Os dados variam de acordo com a amostragem. No mesmo período de 7 dias, as estatísticas mostram números um pouco mais otimistas: 80,98% rodam o iOS 7, sendo que 68,88% estão com a última atualização, a 7.0.4. 9,68% dos acessos foram de usuários do iOS 6 e 5,14% estavam com o iOS 5.
São estatísticas bem melhores que as do Android. Segundo os números mais recentes do Google, apenas 1,1% dos aparelhos rodam o KitKat, lançado pouco mais de um mês após o iOS 7, enquanto somente 4,2% estão na versão imediatamente anterior, a 4.3 Jelly Bean. A porcentagem de pessoas usando o Froyo (2.2) ou Gingerbread (2.3), lançados em maio e dezembro de 2010, respectivamente, ainda é de assustadores 25,7%. No Brasil, apenas Nexus 4 e Moto X foram atualizados para o KitKat até o momento.

Os 10 filmes mais baixados por torrent em 2013

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, o filme mais baixado por torrent em 2013
TorrentFreak liberou nesta semana a tradicional lista dos filmes mais baixados por torrent. Depois de Velozes e Furiosos 5: Operação Rio em 2011 e Projeto X: Uma Festa Fora de Controle em 2012, foi a vez de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada dominar os downloads em 2013. O filme, que arrecadou mais de 1 bilhão de dólares em todo o mundo, foi baixado aproximadamente 8,4 milhões de vezes no ano passado.

O número de 8,4 milhões de downloads por torrent de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada em 2013 é até estranho, uma vez que é menor que o atingido por filmes de anos anteriores. Velozes e Furiosos 5: Operação Rio, por exemplo, foi baixado 9,26 milhões de vezes em 2011, de acordo com as estimativas do TorrentFreak.
O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, o filme mais baixado por torrent em 2013
As estimativas são baseadas nos dados divulgados publicamente por trackers de BitTorrent e incluem downloads feitos desde o primeiro dia de janeiro de 2013 até a metade de dezembro. Como não há downloads feitos por meio de serviços de armazenamento de arquivos, os números de filmes pirateados podem (e devem) ser bem maiores que os divulgados. Mesmo assim, as receitas continuam batendo recordes.
O segundo filme mais baixado em 2013 foi Django Livre, com 8,1 milhões de downloads, seguido por Velozes e Furiosos 6, com 7,9 milhões. Guerra Mundial Z, o segundo termo mais pesquisado no KickassTorrents em 2013, ficou apenas em décimo lugar, com 6,7 milhões de downloads. Homem de Ferro 3, que arrecadou 1,2 bilhão de dólares, apareceu em quarto, com 7,6 milhões de downloads.
Homem de Ferro 3: mais de 7 milhões de downloads por torrent em 2013
Homem de Ferro 3: mais de 7 milhões de downloads por torrent em 2013
Esta é a lista completa:
  1. O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (8,4 milhões de downloads)
  2. Django Livre (8,1 milhões de downloads)
  3. Velozes e Furiosos 6 (7,9 milhões de downloads)
  4. Homem de Ferro 3 (7,6 milhões de downloads)
  5. O Lado Bom da Vida (7,5 milhões de downloads)
  6. Além da Escuridão – Star Trek (7,4 milhões de downloads)
  7. Caça aos Gângsteres (7,2 milhões de downloads)
  8. Truque de Mestre (7 milhões de downloads)
  9. Se Beber, Não Case! Parte III (6,9 milhões de downloads)
  10. Guerra Mundial Z (6,7 milhões de downloads)
No Brasil, 81% dos internautas afirmam baixar filmes e músicas piratas. Não é difícil entender o motivo: mais de cinco mil cidades brasileiras não possuem salas de cinema, de acordo com o Ipea, e os filmes costumam sair nos torrents bem antes de serem vendidos em aluguel digital ou disponibilizados em serviços de streaming, como a Netflix. No passado, Sony e Disney realizaram testes ao fazer streaming de filmes que ainda estavam sendo exibidos no cinema, mas não há nenhum sinal de que isso seja feito em larga escala em breve.