Propaganda Box

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Desmontagem do novo Mac Pro revela uma surpresa: seu processador é removível

Ainda hoje mais cedo lembramos que oficialmente apenas memória e drive flash podem ser trocados no novo Mac Pro, mas uma desmontagem da máquina feita pelo pessoal da Other World Computing (pois é, a tradicional iFixit ainda não fez a dela…) trouxe uma surpresa.
Desmontagem do novo Mac ProDesmontagem do novo Mac Pro
Desmontagem do novo Mac ProAntes, eis uma visão geral das entranhas do Mac Pro:
Mas a grande novidade está aqui:
Ao contrário do que se imaginava, o chip Intel Xeon E5 do novo Mac Pro utiliza soquetes para se conectar à placa-mãe, o que significa que ele é removível e poderá ser futuramente atualizado.
Hoje em dia o preço de mercado de um processador desses ainda é proibitivo, chegando próximo do valor total do próprio Mac Pro, mas com o tempo ele tende a cair e essa possibilidade poderá interessar a muitos compradores do novo Mac profissional.
O chip de entrada utilizado pela Apple no novo Mac Pro é o Intel Xeon E5 quad-core de 3,7GHz, com cache L3 de 10MB. Por US$500 (ou R$2.250) você pula para um 6-core de 3,5GHz com 12MB, por US$2.000 (R$9.000) para um 8-core de 3GHz com 25MB e por US$3.500 (R$15.750) para um 12-core de 2,7GHz com 30MB.

Apple disponibiliza vídeos do tour iOS 7 Tech Talks para desenvolvedores

Tech Talks Videos
Notícia boa para os desenvolvedores.
De tempos em tempos, os engenheiros da Apple fazem um tour por alguns países para realizar conferências técnicas sobre o iOS. Na prática, é como se fosse uma WWDC itinerante, mas em menor escala. O Brasil recebeu uma edição em 2012 (a qual fizemos a cobertura), mas em 2013 não tivemos direito a esse privilégio.
Para quem não mora em uma das 6 cidades em que aconteceu o iOS 7 Tech Talk, a Apple disponibilizou essa semana os vídeos de todas as conferências, para que a informação chegue aos quatro cantos do mundo.
Não há grandes novidades em relação aos vídeos da WWDC já disponibilizados em junho, mas é sempre interessante saber o que rolou no tour dos engenheiros. Os vídeos podem ser baixados ou visualizados gratuitamente no site, mas é preciso ter uma conta de desenvolvedor na Apple.

EUA podem grampear computadores antes que cheguem aos usuários


Novos vazamentos sugerem que a agência de segurança nacional (NSA) dos Estados Unidos pode grampear equipamentos eletrônicos antes mesmo de eles serem entregues aos compradores.
Um grupo da NSA chamado TAO seria capaz de interceptar pedidos de equipamentos de computador ou instalação de softwares e chegar ao que as pessoas pediram.
Uma seção chamada ANT, diz o Spiegel (que noticiou a situação), tem ferramentas que podem instalar backdoors em qualquer aparelho, incluindo os das redes da Cisco e Huawei. As fabricantes, entretanto, não saberiam dessa situação.
Os danos provocados pela NSA seriam, ainda, permanentes, pois permaneceriam nas máquinas mesmo se os usuários efetuassem limpezas.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Falha no app do Banco do Brasil

BB vulnerável

No fim da tarde desta segunda, uma falha no aplicativo do Banco do Brasil para iOS (e também para Android) fez com que os clientes fossem impossibilitados de se conectarem em suas contas. E o pior: quando eles tentavam se conectar, eram os dados de outro cliente que ficavam disponíveis.

A notícia foi divulgada primeiro pelo tecnoblog , que compilou diversas mensagens pelo Twitter de usuários reclamando do problema.

 

Neste momento, o acesso à conta pelo aplicativo foi desabilitada e todos os que tentam se deparam com um aviso de erro de comunicação.

Esta falha é lamentável e incompatível com uma instituição que se diz séria. Esperamos que o problema seja regularizado o mais rapidamente possível e que isso não se repita nunca mais.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Cliente é obrigado a deixar restaurante por causa do seu Google Glass

Mesmo ainda sem ter chego às lojas, o Google Glass continua criando polêmica em alguns lugares – especialmente estabelecimentos públicos, como bares e restaurantes, por exemplo. Nessa semana, mais um caso de cliente que foi convidado a se retirar por estar utilizando o dispositivo aconteceu nos Estados Unidos.

O caso aconteceu na cidade de Seattle e foi relatado por Nick Starr em sua página no Facebook. O engenheiro de redes e desenvolvedor que cita que foi até um restaurante chamado Lost Lake para jantar. Tudo estaria correndo normalmente até que uma atendente se aproximou e lhe pediu que tirasse o dispositivo ou, então, deixasse o estabelecimento.

Starr teria, então, pedido para checar as políticas do estabelecimento quanto ao uso do aparelho, o que lhe foi negado (tais políticas surgiram no Facebook do restaurante). Em seguida, o rapaz pediu para falar com o gerente, ao que ficou sabendo que a garota que lhe falava seria a encarregada do dia. Sem opção, Nick resolveu deixar o restaurante e reclamar na internet.

Controvérsias e privacidade

O mais curioso sobre o acontecimento, no entanto, é o fato de que em seu relato, Starr cita que já foi diversas vezes ao estabelecimento utilizando o Google Glass. De acordo com ele, ninguém nunca havia reclamado e, inclusive, alguns funcionários do local já teriam até ido até ele conversar e pedir para ver o dispositivo.

Outro ponto que chama a atenção nesse episódio é o fato de que o Lost Lake é de propriedade de David Meinert, um empresário que parece ser avesso à utilização do Google Glass. Isso porque no último mês de março ele baniu o Glass em seu outro restaurante, o 5 Point Café, também em Seattle.

Segundo Meinert, tudo gira em torno da privacidade. Em conversa com a Forbes , ele até explica, dizendo que “uma coisa é você tirar uma foto com uma câmera no restaurante. Todos podem ver você fazendo isso. Com o Glass não há como saber se uma pessoa foi fotografada. Queremos que nossos consumidores se sintam confortáveis e não se sintam vigiados".